Benefícios à pessoa com deficiência para compra de carro novo

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Pessoas com deficiência e pacientes com câncer que desejam adquirir um veículo novo podem conseguir um desconto na hora da compra. As leis federal e municipal vigentes garantem redução nos impostos para aqueles que atendem as exigências para ter direito a dedução.


Computadores de 'lan houses' devem ser adaptados para deficientes, no AM

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Entrou em vigor, na terça-feira (19), uma lei que torna obrigatória a adaptação de computadores para pessoas portadoras de deficiências nas lan houses de Manaus. De acordo com a norma, os estabelecimentos serão obrigados a disponibilizar equipamentos, como teclados em Braille, fones de ouvido, programas de informática que possuam leitor de tela, entre outras exigências. Lan houses terão prazo de oito meses para se adequar à lei, que deverá ser regulamentada em Janeiro de 2014.




Além destas requisições, a lei força os cyber cafés, ou quaisquer outros estabelecimentos que disponibilizem um número igual ou superior a 10 computadores, a dispor programas de informática que possuam caracteres gigantes, destinado a pessoas com baixa visão. Ao todo, pelo menos 10% dos equipamentos deverão ser adaptados para a utilização de pessoas com deficiência visual.

Já as lan houses que possuam 20 ou mais computadores, cuja atividade tenha finalidade de obtenção de lucro por meio da informática, serão obrigadas, ainda, a disponibilizar aparelhos para pessoas com deficiência visual, como impressoras Braille e papéis especiais destinados a este tipo de impressão.

Os estabelecimentos que possuam 30 ou mais computadores serão obrigados a instalar piso tátil no acesso ao local, bem como em seu interior, para melhorar a locomoção da pessoa com deficiência visual.


O descumprimento da lei implicará ao infrator multa de 50 Unidades Fiscais do Município (UFMs) na primeira ocorrência, que terá o valor dobrado em caso de reincidência. O Alvará de funcionamento do cyber café poderá, também, ser suspenso. O Poder Executivo deverá regulamentar a lei no prazo máximo de 60 dias, enquanto os proprietários dos estabelecimentos terão 8 meses para se adequar a nova lei.


FONTE: site G1.com por G1 AM. - sempre incluidos oficial

Saiba como manter a dieta e evitar os exageros no restaurante a quilo

Se por um lado apresenta uma variedade de alimentos, a dificuldade no 
buffet self service é resistir e não misturar muitas preparações tentadoras

Cada vez mais a população realiza suas refeições fora de casa, principalmente o almoço, e frequentamos regularmente restaurantes do estilo buffet self service a peso. Se por um lado apresenta grande variedade de alimentos, a dificuldade é como resistir e não misturar tantas preparações tentadoras. Confira abaixo algumas dicas para você não cometer os exageros:


Saiba como tirar sua habilitação especial

quarta-feira, 20 de novembro de 2013


Se você se interessou e quer saber como tirar sua carteira de habilitação especial, confira o passo a passo:




1) Os documentos necessários são originais do RG e do CPF, comprovante original de residência de até três meses anteriores e duas fotos 3x4 com fundo branco. Primeiramente, é necessário ir a um CFC (Centro de Formação de Condutores) e pagar exames e aulas de todo o processo. Para saber onde há uma autoescola especializada, o Detran-SP disponibiliza uma lista de Centros de Formação de Condutores (CFCs) em seu portal, tanto na capital como no interior.

Aprovada isenção tributária para adaptações de carros usados por pessoas com deficiência

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou, nesta quinta-feira (5), parecer favorável ao PLS 257/2013, que concede isenção de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nas operações com acessórios e adaptações especiais para veículos destinados a pessoa com deficiência. A medida deverá abranger também a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição para o PIS/PASEP.

Surf adaptado faz sucesso entre cadeirantes de Brasília

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Com a cadeira de rodas amarrada na prancha, o esporte é oferecido gratuitamente

Dia de sol com vento favorável é sinônimo de SUP (Stand Up Paddle) para cadeirantes no Lago Paranoá, em Brasília. Neste sábado (9), as condições do clima estavam ideais para a prática do esporte que está conquistando cada vez mais adeptos na cidade.
















Gabriel Duarte, 34 anos, perdeu o movimento das pernas há dois anos, em um acidente de carro. Voltando de uma festa, ele dormiu no volante e capotou o carro. Com uma lesão na medula, Gabriel teve que adaptar a vida à cadeira de rodas e a vida de baladas deu espaço à prática de esportes.

Nova York adota novo símbolo internacional de acessibilidade

terça-feira, 12 de novembro de 2013

O velho símbolo internacional de acessibilidade que mostrava um personagem estático numa cadeira de rodas foi substituído por um personagem em movimento. Esse símbolo foi adotado oficialmente em Nova York. Após vários anos de pedidos de mudança, os designers do Gordon College, em Massachusetts, criaram um novo símbolo, com um personagem dinâmico, ativo,independente, com os braços prontos para qualquer ação. 

“É algo bem voltado para o movimento”, disse Victor Calise, Comissário do Gabinete do prefeito de Nova York para Pessoas com Deficiência, ao jornal The Chronicle of Higher Education. 

Calise, que ficou paraplégico em um acidente de bicicleta aos 22 anos, planeja começar a mudança do logotipo neste verão, em Nova York.


FONTE: Deficiente Ciente

Empresas de táxi podem ser obrigadas a ter 5% dos carros adaptados para cadeirantes

Objetivo é que cadeirantes não saiam das cadeiras de rodas

Empresas e cooperativas de táxi que operam com 20 ou mais veículos poderão ser obrigadas a adaptar pelo menos 5% de sua frota para pessoas com deficiência.

É o que determina o projeto de lei do Senado, que está na pauta da Comissão de Serviços de Infraestrutura na próxima quarta-feira (13).

O objetivo do projeto é permitir a cadeirantes embarcar e desembarcar do automóvel sem a necessidade de que sejam retirados de suas cadeiras de rodas.


Anemia prejudica a prática espotiva e pode ser controlada com alimentação

sexta-feira, 8 de novembro de 2013



A anemia é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como ‘um estado em que a concentração de hemoglobina do sangue é anormalmente baixa em consequência da carência de um ou mais nutrientes essenciais, qualquer que seja a origem dessa carência’.

Tábua de transferência para cadeirantes

Pessoal, estive pesquisando na internet sobre a tábua de transferência para cadeirantes, encontrei no blog das Imperfeitas um molde com medidas para quem querer mandar fazer a sua tábua.

Segue os moldes da tábua:




No blog delas tem um vídeo que mostra como utilizar a tábua para você fazer a transferência também.

Fonte: Blog Imperfeitas

Honda Civic é eleito melhor carro para pessoas com deficiência

quinta-feira, 7 de novembro de 2013



O Honda Civic foi eleito o Melhor Carro para a Pessoa com Deficiência em pesquisa realizada com leitores da "Revista Nacional de Reabilitação", publicação que aborda assuntos como inclusão e acessibilidade de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Em 15 edições, é a nona vez que em que a linha Civic é premiada e a 13ª vez que a marca Honda é destaque na avaliação com um de seus modelos.

A vida que você escolheu. Só existe um tipo de deficiência: a atitude negativa.



A vida que você escolheu. Só existe um tipo de deficiência: a atitude negativa.

Sexo entre Cadeirantes X Andantes...

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Quando a gente se apaixona por uma pessoa levamos em conta todas as características marcantes dela. Pode ser um bom papo, humor incrível, inteligência única… Algumas vezes ganhamos tudo isso no pacote, outras vezes, uma dessas características vem acompanhada de olhos lindos e penetrantes, pele que dá um choquinho quando toca a sua ou algo assim.

Mas e se essa pessoa que ganhou seu sonhos estivesse sentada em uma cadeira de rodas? E se tivesse mobilidade reduzida? E se você for a pessoa sentada nessa cadeira de rodas? Muda alguma coisa? Como funciona?

   Antes de tudo, é bom lembrar que pessoas em cadeiras de rodas são iguais a você em quase tudo, a única diferença é a mobilidade. Os sentimentos, as conversas, os interesses… tudo é igual!




Dicas de como ajudar um cadeirante

segunda-feira, 4 de novembro de 2013


O que difere um deficiente físico dos não deficientes é a forma de locomover-se. Portanto, devemos abordar e tratá-los com naturalidade, sem preconceito ou discriminação.

A rotina de uma mãe cadeirante

Usando cadeira de rodas há quase 20 anos, Tatiana Rolim conta os obstáculos superados dia após dia para aproveitar a maternidade com plenitude ao lado da filha Maria Eduarda
Ela dá bronca, faz carinho, brinca, põe a criança para dormir, como qualquer outra mãe. A única diferença é que a psicóloga e consultora de RH Tatiana Rolim, 36, faz tudo isso sobre rodas. Cadeirante desde os 17 anos de idade, descobriu os prazeres e os desafios da maternidade há três anos, com a chegada de Maria Eduarda. A filha deu ainda mais forças para superar as dificuldades diárias e lutar pelos direitos dos deficientes.

O sonho de ser mãe era cultivado desde a adolescência por Tatiana, uma jovem com saúde, cheia de disposição, que jogava vôlei e atuava como modelo. Mas um passeio ciclístico com os amigos em Franco da Rocha (SP), cidade onde morava, mudou o rumo dessa história. Atropelada por um caminhão, teve uma lesão medular irreversível e ficou paraplégica. “Foi uma fase muito difícil. Fiquei três meses em coma, com várias fraturas. Quando sai do hospital, nem consegui entender direito o que estava acontecendo comigo”, conta.

Depois de meses de recuperação física e psicológica, ela conseguiu se adaptar a sua nova rotina. Agora, o desafio não era mais vencer uma partida de vôlei, mas, sim, pegar um ônibus sozinha para ir à escola. Aos poucos, com a ajuda da família e de amigos, Tatiana foi superando os obstáculos, sem desistir de seus projetos pessoais: fez faculdade, aprendeu a dirigir, casou-se e passou a militar pela causa dos deficientes – além de realizar o grande sonho de ser mãe.



Como em toda família, Tatiana também passou por dificuldades, algumas delas sem nenhuma relação com sua condição física. Pouco antes do nascimento da filha, o marido e ela se separaram. Então, Tatiana se viu sozinha, cuidando de um bebê. “Essa foi a fase mais trabalhosa, até os dois aninhos, porque a criança exige maiores cuidados, é totalmente dependente”, relata.
Entre as dificuldades com o início da maternidade, Tatiana conta, por exemplo, sobre o complicado momento do banho da filha, no qual ela tinha que “pular” várias vezes da cadeira para pegar água quente e colocar na banheira dentro do box. A psicóloga reuniu as histórias curiosas deste período no livro “Maria de Rodas – Delícias e Desafios na Maternidade de Mulheres Cadeirantes” (Editora Scortecci), escrito em coautoria com Carolina Ignarra e Flávia Cintra.
Hoje, na atual fase da filha, aos três anos, Tatiana diz que o maior apuro é mesmo com a educação, especialmente na hora de colocar limites. Em uma das travessuras de Maria Eduarda, a menina pegou a cadeira de rodas da mãe e correu. “Ela sabia que assim eu não conseguiria ir atrás dela. Então, eu tive que me impor, explicar que ela não pode pegar a cadeira. Ela nunca mais fez isso”.
A condição física de Tatiana também acabou despertando uma independência mais precoce de Maria Eduarda no que diz respeito às atividades cotidianas: a menina toma banho sozinha, guarda os brinquedos e até arruma a mesa para o jantar de vez em quando.
Mas é claro que Tatiana não se esquece de que a filha é ainda pequena e, como toda criança, quer atenção e carinho. Por isso, a psicóloga reserva tempo na rotina diária para ver os cadernos da escola de Maria Eduarda, ler historinhas e brincar. “Rola até um pega-pega sobre rodas e esconde-esconde. Mas ela sempre sabe o meu esconderijo, porque não tenho muitas opções dentro do apartamento”, diverte-se a mãe.

Acordar cedo, arrumar a filha para a escola, ir para o trabalho, dar uma geral na casa, preparar as refeições fazem parte do dia a dia de Tatiana. Aliás, para conseguir realizar as tarefas domésticas a palavra-chave é adaptação. Para passar a roupa, por exemplo, ela teve de adaptar uma tábua, que ela coloca na mesa ou na cama. Para lavar roupa, precisou comprar uma máquina de abertura frontal, para facilitar o trabalho. “São alguns investimentos que precisamos fazer por conta da acessibilidade. Isso facilita muito a nossa vida, mas infelizmente tudo ainda é muito caro no Brasil”, relata.
Na casa de Tatiana, tudo foi pensado para garantir maior conforto e acessibilidade. As portas do apartamento são mais largas, para circular com mais facilidade. Na cozinha, a pia é mais baixa e aberta, sem gabinete, para que a cadeira se encaixe e seja possível lavar a louça sem maiores esforços. O mesmo foi feito com o tanque. Já as janelas, são abertas e fechadas com a ajuda de de uma varinha, assim como o chuveiro.

Batalhas diárias
Apesar de todas as adaptações, Tatiana sempre acaba encontrando um obstáculo ou outro. Se a dificuldade é em casa, sempre dá um jeitinho de superá-la. Uma delas aconteceu quando chegava de carro no condomínio onde mora, mas não havia ninguém para ajudá-la a retirar a cadeira do automóvel e subir. Então, com a ajuda de amigos, ela conseguiu uma cadeira extra, que fica sempre ao lado da vaga no prédio para que ela possa sair quando quiser.
No entanto, muitas vezes, Tatiana encontra preconceito e situações complicadas na rua. É nesse momento que ela luta com mais afinco pelos seus direitos. “Outro dia, num simples passeio no fim de semana, discuti com um motorista de ônibus que não queria que eu embarcasse por conta da cadeira. Tudo isso na frente da minha filha. É muito chato”, confessa.

Para Tatiana, sobre rodas ou não, o essencial para qualquer mãe é se adaptar às situações e tirar o melhor proveito delas, mesmo que tudo pareça difícil. “Em alguns momentos de lazer, como quando vemos uma família andando de bicicleta, minha filha percebe que sou cadeirante, mas sempre falo para ela que o que importa é que eu estou junto com o coração. E ela sempre acaba entendendo”.

Fonte: PCD On-line 


Cadastre seu e-mail em nosso FeedBurner e receba por e-mail as novidades do "Universo Cadeirante" em seu e-mail. NÃO ESQUEÇA de após o cadastro fazer a confirmação pelo link que vai receber no seu e-mail.
Cadastre -> http://bit.ly/1GaCTXK

Nutricionista diz que os carboidratos devem compor de 50 a 60% da dieta

Os carboidratos são considerados as principais fontes alimentares responsáveis pela produção de energia, além de preservar a massa muscular através do fornecimento de energia aos músculos, facilitar o metabolismo das gorduras e garantir o bom funcionamento do sistema nervoso central. Fornecem combustível para o cérebro, a medula, os nervos periféricos e células vermelhas para o sangue. Estão presentes nos pães, biscoitos, hortaliças, legumes, batata, aipim, inhame, cereais (arroz, farinha, aveia, macarrão), frutas e leguminosas (feijão, lentilha e grão de bico). Cada um grama fornece 4 Kcal às células do corpo. Segundo a nutricionista Cristiane Perroni, especialista do EUATLETA, os carboidratos devem compor de 50 a 60% da dieta.


Pais criam fantasias de Halloween pros seus filhos cadeirantes

sexta-feira, 1 de novembro de 2013


Grande parte das crianças americanas amam comemorar o Halloween. Algumas delas, mesmo sendo cadeirantes, também querem se divertir! E é nessas horas que entram pais e amigos criativos, que ajudam esses pequenos a entrarem na festa e celebrarem como qualquer outra criança, nesse vídeo, o pai do Carter, criou a fantasia dele em torno da cadeira de rodas do filho, tem coisa mais incrível que isso?
 

Idioma

Contato

cadeirantes.life@gmail.com

FACEBOOK

INSTAGRAM @cadeirantes_life

Cia de Dança Loucurarte

Receba por e-mail

Digite seu e-mail:

DESTAQUE

Dicas para PCD encontrar emprego

Se você é uma pessoa com deficiência, deve saber que encontrar um emprego satisfatório e bem remunerado é duas vezes mais difícil do que ...

Entrevistas